Cia. de Dança homenageia a bailarina Lina Lapertosa com o projeto (in)tensões - on-line ao vivo

25/10

Exibição por meio do YouTube da Fundação Clóvis Salgado | YouTube.com/palaciodasartesmg

Cena do (in)tensões on-line | Imagem: divulgação

 

(in)tensões – on-line ao vivo, intervenção da Cia. de Dança Palácio das Artes, está de volta no mês de outubro. Dessa vez, o projeto vai homenagear Lina Lapertosa, bailarina que integrou a Cia. de Dança Palácio das Artes no período de 1974 a 2019. “Aos 67 anos de idade, Lina continua nos encantando com sua dança e nos ensinando sobre o fazer artístico”, revela Sílvia Maia, jovem bailarina da Cia. de Dança Palácio das Artes e uma das diretoras de (in)tensões. Além de Sílvia, o (in)tensões – on-line ao vivo conta com a direção de Naline Ferraz, bailarina da CDPA, e com a assistência de direção de Christiano Castro, também bailarino da Companhia.

(in)tensões é um trabalho que surgiu de um processo de reflexão sobre os pontos frágeis e pontos seguros do tensionamento individual e interno do corpo de cada bailarino, em uma construção coletiva, através de um jogo de experimentações, que se atualiza a cada instante. Um improviso entre câmeras, microfones, protocolos, corpos, espaços. Um experimento estruturado em seis momentos, em doze lugares diferentes, com margem de erro de 4 minutos. Cada tela – “janela” – é uma paisagem-passagem possível e um re-corte.

Encenada por meio da plataforma Zoom, a próxima edição do (in)tensões acontecerá ao vivo, no dia 25 de outubro (domingo), às 16h, com transmissão exclusiva pelo YouTube da Fundação Clóvis Salgado. Esse evento integra a programação do Palácio em Sua Companhia, realizado pela Fundação Clóvis Salgado, e tem a correalização da Appa Arte e Cultura.

 

45 anos de história

Lina Lapertosa | Imagem: Paulo Lacerda

A Cia. de Dança já pensava em convidar artistas e grupos para participarem do projeto (in)tensões – on-line ao vivo. Durante as conversas, ventilou-se a possibilidade de chamar antigos bailarinos da Companhia e o primeiro nome que surgiu foi de Lina Lapertosa, artista cuja biografia se confunde com a história da Cia. de Dança Palácio das Artes. Médica e bailarina de formação, Lina sempre se dividiu entre as duas profissões. “Uma completa a outra”, diz. Formada em dança pela Escola de Dança do Palácio das Artes, ela trabalhou na instituição por 45 anos e construiu uma história longeva e singular.

“Obviamente, decidimos homenagear a Lina por causa da trajetória dela na Cia. de Dança. Ninguém mais do que ela merece essa reverência. E a participação da Lina vai trazer uma forma de interação com o trabalho do (in)tensões, mantendo sua estrutura, mas ganhando os atravessamentos que nos propomos reciprocamente. Isso faz com que a intervenção ganhe mais uma camada em sua dramaturgia. Um exemplo é a utilização dos ‘erros’ de aparição frequentes em reuniões como um elemento positivo para a construção do (in)tensões. Também vamos trazer a história da Lina na dança e as referências da outra profissão – médica ginecologista e obstetra – dela, além da rotina da artista fora dos palcos”, observa Naline Ferraz.

 

Trilha sonora

Viva e dinâmica, a escolha musical de (in)tensões é marcada pela diversidade. Nesta edição, há desde um clássico de Beethoven, incorporado à trilha como sugestão da Lina, passando por música clássica contemporânea francesa, experimental asiática, música mexicana, até chegar a uma banda paulista e uma musicista do Norte do Brasil.

“De certa forma, a trilha sonora é similar ao roteiro – em que uma parte estrutural segue e outras sofrem alterações – e pode ser modificada a cada edição do experimento. Isso vai depender dos participantes, das cenas que desejamos integrar ao roteiro, das propostas cênicas e artísticas que surgem durante os encontros e ensaios, se desejamos criar um ambiente musical, potencializar o movimento ou dar mais espaço para a imagem do artista atuando”, explica Sílvia.

A trilha sonora desta edição de (in)tensões – on-line ao vivo é composta por músicas de Laurie Anderson, Chavela Vargas, Dona Onete, Metá Metá, Alva Noto, Ryuichi Sakamoto, Ludwig van Beethoven e Nicolas Jaar.

 

CIA DE DANÇA PALÁCIO DAS ARTES – Corpo artístico da Fundação Clóvis Salgado – é reconhecida como uma das mais importantes companhias do Brasil e é uma das referências na história da dança em Minas Gerais. Foi o primeiro grupo a ser institucionalizado, durante o governo de Israel Pinheiro, em 1971, com a incorporação dos integrantes do Ballet de Minas Gerais e da Escola de Dança, ambos dirigidos por Carlos Leite – que profissionalizou e projetou a Companhia nacionalmente. O Grupo desenvolve hoje um repertório próprio de dança contemporânea e se integra aos outros corpos artísticos da Fundação – Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e Coral Lírico de Minas Gerais – em produções operísticas e espetáculos cênico-musicais realizados pela Instituição ou em parceria com artistas brasileiros. A Companhia tem a pesquisa, a investigação, a diversidade de intérpretes, a cocriação dos bailarinos e a transdisciplinaridade como pilares de sua produção artística. Seus espetáculos estimulam o pensamento crítico e reflexivo em torno das questões contemporâneas, caracterizando-se pelo diálogo entre a tradição e a inovação.

Informações

Local

Exibição por meio do YouTube da Fundação Clóvis Salgado | YouTube.com/palaciodasartesmg

Horário

16h