Vídeo inédito do CLMG e da OSMG resgata trecho do oratório Messias

10/06

Instagram e Facebook da Fundação Clóvis Salgado

O Coral Lírico de Minas Gerais (CLMG) e a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG) homenageiam a Fundação Clóvis Salgado com mais um vídeo marcante e repleto de história, que integrará o Projeto Palácio em Sua Companhia (página da FCS no Instagram e no Facebook) a partir do dia 28 de junho de 2020 (domingo). No mês em que a instituição completa 50 anos, os dois corpos artísticos se reúnem de forma remota na gravação do trecho Halellujah, 42º movimento do oratório Messias (1741), composto por Georg Friedrich Händel. A obra completa foi apresentada na inauguração do Grande Teatro do Palácio das Artes, em 14 de março de 1971, um ano após a criação da Fundação Clóvis Salgado. Na ocasião, Messias foi executado pela Orquestra Sinfônica Nacional e pelo Coro da Associação de Canto Coral do Rio de Janeiro, com regência do maestro Isaac Karabtchevsky – que também participa do vídeo, com um depoimento emocionante. Este evento possui correalização da Appa – Arte e Cultura.

 

Participação especial do maestro Isaac Karabtchevsky

O vídeo de Messias também conta com diversos depoimentos de antigos componentes da OSMG e CLMG, que deixaram saudações em homenagem ao cinquentenário da FCS e à beleza e versatilidade dos corpos artísticos. As falas dos convidados são sobrepostas à canção, e traçam um panorama rico e virtuoso do caminho já trilhado pela Orquestra e pelo Coral. Participam como convidados os cantores líricos Carol Rennó, Ramiro Silva e Rosa Dias, Rosa Silveira, Conceição Nicolau, Eliaci Macedo, Izabela Brant, Cristina Lessa, Dívora Mizrahy, Eduardo Santana, Vânia Soares, e Edésio Lara; e os instrumentistas Abílio Gouvêa, Luiza Chequer, Edith Pfau, Fernando Pacífico, Gláucia Borges, Marlene Moreira Martins e José Eustáquio Babeto.

 

Integrantes da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

Segundo o maestro titular da OSMG, Silvio Viegas, que assina a direção musical em parceria com a maestrina associada ao CLMG, Lara Tanaka, essa produção somente foi possível graças ao trabalho organizado e a cooperação de todos os artistas, que se envolveram em um processo de aprendizado para a confecção do vídeo. Além disso, segundo o maestro, a escolha do trecho possui um significado muito forte: “nenhum outro momento do oratório é tão emblemático como o ‘Halellujah’, que exalta a figura de Jesus Cristo como humano, e une de forma representativa os conceitos de igualdade, fraternidade e respeito”, ressalta Viegas.

 

Produção em tempos de isolamento

O vídeo, que integra o Projeto Palácio em Sua Companhia, faz parte da série de lançamentos promovidos pela FCS durante o período de isolamento social. A regente Lara Tanaka ressaltou a importância da realização dos vídeos durante a quarentena, não só para o público, mas também para os artistas. “Esses vídeos trouxeram um alento muito gratificante. Pudemos ver com maior clareza que existe viabilidade na produção musical mesmo que os músicos estejam distantes, e mesmo que não trabalhemos exatamente nos moldes e técnicas habituais”, destaca a maestrina. “Ainda que os artistas estejam em suas casas, conseguimos emocionar o público, e esse sempre será o nosso objetivo principal: emocionar”.

 

Integrantes do Coral Lírico de Minas Gerais

Tanaka também comenta como a produção possui um toque especial, dado pelos depoimentos de cantores e instrumentistas que fizeram parte dos corpos artísticos da FCS, além da participação especial do maestro Isaac Karabtchevsky. “Cada cantor, instrumentista e maestro que deixou seu depoimento para o vídeo possui uma vivência diferente dentro da música. Esse reencontro virtual é muito especial para quem já passou pela FCS, para quem ainda ajuda a construir essa história diariamente, e para o público, que poderá se envolver ainda mais com a música e até mesmo com a alma de cada participante. Afinal, não existe fazer artístico sem entrega”, conclui a maestrina.

 

 

#PALÁCIOEMSUACOMPANHIA – A diversidade cultural do Palácio das Artes encanta o público mineiro há décadas. Agora, no período de isolamento social, o propósito é levar cultura a cada um, no aconchego de casa! Desde o dia 3 de abril, a Fundação Clóvis Salgado realiza o projeto PALÁCIO EM SUA COMPANHIA, que leva ao público diariamente a arte dos Corpos Artísticos (Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, Coral Lírico de Minas Gerais e Cia. de Dança Palácio das Artes), dos alunos e professores do Cefart, das Artes Visuais e do Cinema, por meio do Facebook, Instagram e YouTube.

 

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais – Considerada uma das mais ativas do país, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais cumpre o papel de difusora da música erudita, diversificando sua atuação em óperas, balés, concertos e apresentações ao ar livre, na capital e no interior de Minas Gerais. Criada em 1976, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de Minas Gerais em 2013. Participa da política de difusão da música sinfônica promovida pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, a partir da realização dos projetos Concertos no Parque, Concertos Comentados, Sinfônica ao Meio-dia, Sinfônica em Concerto, além de integrar as temporadas de óperas realizadas pela FCS. Mantém permanente aprimoramento da sua performance executando repertório que abrange todos os períodos da música sinfônica, além de grandes sucessos da música popular. Seu atual regente titular é Silvio Viegas.

 

Coral Lírico de Minas Gerais – O Coral Lírico de Minas Gerais é um dos raros grupos corais que possui programação artística permanente e interpreta repertório diversificado, incluindo motetos, óperas, oratórios e concertos sinfônico-corais. Participa da política de difusão do canto lírico promovida pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado (FCS), a partir da realização dos projetos Concertos no Parque, Lírico Sacro, Sarau ao Meio-dia e Lírico em Concerto, além de concertos em cidades do interior de Minas e capitais brasileiras, com entrada gratuita ou preços populares. Participa também das temporadas de óperas realizadas pela FCS. Já estiveram à frente do Coral os maestros Luiz Aguiar, Marcos Thadeu, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Ângela Pinto Coelho, Eliane Fajioli, Sílvio Viegas, Charles Roussin, Afrânio Lacerda, Márcio Miranda Pontes, Lincoln Andrade e Lara Tanaka. Criado em 1979, o Coral Lírico de Minas Gerais tornou-se Patrimônio do Estado em 2018 e comemorou quarenta anos em 2019.

 

 

Informações

Local

Instagram e Facebook da Fundação Clóvis Salgado