Mostra Brian de Palma

24/09 - 17/10

Cine Humberto Mauro | Palácio das Artes | Av. Afonso Pena, 1537. Centro. Belo Horizonte

Do dia 24 de setembro a 17 de outubro o Cine Humberto Mauro se dedica à obra do diretor americano Brian de Palma, exibindo 20 longa-metragens que abrangem os anos de 1970 a 2002 de sua filmografia. Com estilo marcado pelo virtuosismo técnico, violência e forte influência de Alfred Hitchcock, De Palma se tornou um dos ícones do suspense, thriller psicológico e drama criminal, com trabalhos sólidos tanto em grandes produções hollywoodianas quanto em clássicos cult. Este evento tem correalização da APPA – Arte e Cultura.

Acesse a PROGRAMAÇÃO..

Acesse as SINOPSES dos filmes.

Segundo Bruno Hilário, gerente do Cine Humberto Mauro, Brian De Palma marcou a história do cinema ao reconstruir o formato a partir do que foi feito por grandes mestres. “De Palma faz parte de uma geração de cineastas que sentiam um esgotamento da linguagem cinematográfica. Assim, ele homenageia os mestres Hitchcock e Einsenstein e vai além, de maneira que sua própria linguagem se expande”, explica o gerente. “É com forte estilização maneirista que o diretor demonstra a relevância da linguagem cinematográfica enquanto constrói sua narrativa, o que levou um frescor para a indústria”, avalia.

O americano visita temas como o voyeurismo, o desamparo e a insanidade com qualidade técnica cinematográfica que serve desde à ação, como em Missão Impossível, quanto ao suspense sobrenatural, como em Carrie. “Brian De Palma explora a dramatização e o suspense até mesmo em seus filmes mais leves, e, às vezes, pode beirar uma narrativa de terror”, observa Bruno. Entre os destaques da mostra, está Irmãs Diabólicas (1973), thriller psicológico em que o diretor referencia diversos clássicos hitchcockianos para retratar as consequências da separação de duas irmãs siamesas e o assassinato ao qual uma delas está ligada.

Em Trágica Obssessão (1976), o diretor usa espelhos e a tela dividida, uma de suas marcas inconfundíveis, para contar o dilema de um empresário que, 17 anos depois da morte de sua esposa e filha, conhece uma mulher que o encanta, mas é atormentado pela semelhança entre ela e a falecida esposa. No mesmo ano, De Palma produziu o filme de horror Carrie (1976), adaptação do romance de Stephen King em que a protagonista, sufocada pela mãe religiosa, passa por bullying na escola e descobre poderes paranormais. Para retratar os sentimentos de isolamento e aprisionamento da protagonista, o diretor explora os cenários, molduras e split focus, técnica em que a tela é dividida em dois objetos distintos.

Já em Vestida Para Matar (1980), De Palma bebe da fonte de Psicose (1960), retratando um terapeuta que enfrenta um momento aterrorizante quando um psicopata passa a atacar as mulheres de sua vida usando uma navalha roubada de seu consultório, o envolvendo num mundo de escusos e perturbadores desejos. Um Tiro na Noite (1981) traz um sonoplasta como protagonista que, depois de gravar um disparo comprometedor, acaba se tornando alvo do assassino de um candidato a presidente. No filme, o diretor homenageia amplamente a arte do cinema, com uso virtuoso do som e da montagem.

O diretor chega no seu auge de sucesso com o público no lançamento de Scarface (1983), longa em que se dedica a construir as camadas da personalidade do complexo Tony Montana, o maior traficante da Flórida. De Palma não economiza na estilização do personagem e dos cenários, denotando a megalomania e violência do personagem. No blockbuster Os Intocáveis (1987) a homenagem vai para a clássica cena da escadaria do filme soviético O Encouraçado Potemkin (1925), e retrata a disputa entre o lendário chefe criminoso Al Capone e o agente Elionet Ness.

Em Missão Impossível (1996) Brian De Palma leva frescor ao gênero de ação para retratar um agente especial que se tornou o principal suspeito de um assassinato durante uma missão em Praga. Com a ajuda de um novo grupo, ele vai tentar limpar seu nome, descobrindo quem foi o espião que armou para o seu time. Com o uso de plano detalhe e ausência de trilha sonora, o diretor retrata o perigo e a tensão com uma maestria que marcou o primeiro filme da franquia americana.

 

Este evento tem correalização da APPA – Arte e Cultura.

Informações

Local

Cine Humberto Mauro | Palácio das Artes | Av. Afonso Pena, 1537. Centro. Belo Horizonte

Classificação

VERIFIQUE A CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

Informações para o público

31 3236-7400