Objetivos

 

Sob regência do maestro convidado Miguel Campos Neto, no dia 13 de junho, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais sobe ao palco do Grande Teatro do Palácio das Artes para uma nova edição da série Sinfônica em Concerto.

A orquestra interpreta três obras primas da música erudita: Abertura Egmont, opus 84, do compositor alemão Ludwig van Beethoven, Saudades de Belém, do francês Pierre Thilloy, e Sinfonia nº 9, em Dó Maior, conhecida como a “A Grande”, do compositor austríaco Franz Peter Schubert.

Voltando ao Palácio das Artes após 11 anos, desde a turnê com a ópera infantil O Viajante das Lendas Amazônicas (2007), Campos Neto rege pela primeira vez uma orquestra de Minas Gerais. 

PROGRAMA

Abertura Egmont, opus 84 

Ludwig Von Beethoven

Saudades de Belém 

Pierre Thilloy

INTERVALO

Sinfonia nº 9, em Dó Maior, “A Grande” 

Franz Schubert

Movimentos 

Andante. Allegro ma non troppo

Andante con moto

Scherzo

Allegro

 

Música sinfônica em diferentes períodos 

Com repertório diverso, o concerto busca percorrer diferentes tonalidades musicais, sem perder uma conexão harmônica entre as obras executadas. Segundo o maestro, as peças de Beethoven e Schubert são de períodos diferentes da carreira dos compositores, mas dialogam entre si.  A conexão mais interessante entre essas duas obras é a própria vivência dos músicos. Na virada do século XVIII para o XIX, e nas duas primeiras décadas dos anos 1800, Beethoven era um compositor de fama mundial e uma figura polêmica. Schubert era um jovem desconhecido que conseguia pouca atenção do público através de suas canções, mas cuja obra sinfônica e de Câmara teria que esperar muitos anos para obter a fama que tem hoje. Mas naquela Vienna, Schubert tinha Beethoven como seu grande ídolo e modelo de compositor e gênio.  Já a obra Saudades de Belém é de um compositor francês contemporâneo, Pierre Thilloy, e foi escrita em homenagem aos 400 anos da Cidade de Belém e à Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, da qual Campos Neto é regente titular.

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

Considerada uma das mais ativas do país, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais cumpre o papel de difusora da música erudita, diversificando sua atuação em óperas, balés, concertos e apresentações ao ar livre, na capital e no interior de Minas Gerais. Seu atual regente titular é Silvio Viegas. Criada em 1976, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de Minas Gerais em 2013. Participa da política de difusão da música sinfônica promovida pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, a partir da realização dos projetos Concertos no Parque, Concertos Comentados, Sinfônica ao Meio-dia, Sinfônica em Concerto, além de integrar as temporadas de óperas realizadas pela FCS. Mantém permanente aprimoramento da sua performance executando repertório que abrange todos os períodos da música sinfônica, do barroco ao contemporâneo, além de grandes sucessos da música popular, com a série Sinfônica Pop. Já estiveram à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais os regentes Wolfgang Groth, Sérgio Magnani, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Aylton Escobar, Emílio de César, David Machado, Afrânio Lacerda, Holger Kolodziej, Charles Roussin, Roberto Tibiriçá e Marcelo Ramos.

Miguel Campos Neto

O Maestro Miguel Campos Neto iniciou a temporada 2018 com uma tourné nacional e internacional que incluiu concertos nos EUA, Hungria bem como o concerto de encerramento do CIVEBRA, o tradicional Curso Internacional de Verão de Brasília. Com diploma em regência pela Mannes College of Music de Nova York, Campos Neto é atualmente regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, da Orquestra Sinfônica Altino Pimenta (UFPA), da Orquestra Jovem Vale Música e da Orquestra Sinfônica Wilson Fonseca (Santarém).  Com atuações nos dois festivais de ópera mais importantes do Brasil (Manaus e Belém), ele já acumula um notável repertório operístico, e contabiliza 6 lançamentos em DVD de óperas totalmente encenadas.  Como convidado ele já regeu orquestras nacionais e internacionais como: Orquestra Sinfônica de Puerto Rico, Orquestra Sinfônica de Mulhouse (França) Savaria Symphony (Hungria), Os Solistas de Câmara da Universidade de Missouri (EUA), e as orquestras de Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Amazonas, Theatro São Pedro (SP), Teatro Nacional (Brasília), Heliópolis (SP), Experimental de Repertório (SP), Municipal de Campinas e Sinfônica da UNICAMP.

Lei da meia-entrada: A Lei Federal nº 12.933/2013 dispõe sobre o benefício do pagamento de meia-entrada para estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos comprovadamente carentes em espetáculos artísticos culturais e esportivos. Clique e acesse o texto na íntegra 

Data de início

13 de Junho de 2018

Data de término

13 de Junho de 2018

Endereço

Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, BH)

Preço

R$20,00 INTEIRA | R$ 10,00 MEIA

Mais informações

COMPRAR INGRESSOS

EVENTO

Sinfônica em Concerto

HORÁRIO
20h30 

DURAÇÃO
60 minutos 

CLASSIFICAÇÃO LIVRE 

INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO
(31) 3236-7400