Objetivos

créditos: Estudio Lapa

De 8 a 10 de junho, no Teatro João Ceschiatti, o Grupo Teatro Andante apresenta o espetáculo LAMA.

“Contribuir para o não esquecimento e colaborar para a necessária reparação”, movidos por esse desejo e sensibilizados com o ocorrido, o Grupo Teatro Andante mergulhou na memória da maior tragédia ligada à mineração do Brasil e uma das maiores do mundo: o rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, Minas Gerais. Fruto dessa pesquisa e da  experimentação que mescla linguagens artísticas, estreia dia 1º de junho, LAMA, espetáculo dirigido por Marcelo Bones e encenado por Ângela Mourão, Bruna Sobreira e Thiago Amador (ator convidado). “Estamos vivendo um momento de transformações nas relações humanas, que exige dos artistas um posicionamento claro diante de fatos tão importantes”, analisa o diretor.  

O espetáculo é realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte - Fundação Municipal de Cultura - e tem patrocínio da MGS – Minas Gerais Administração e Serviços S.A.  

O que nós podemos fazer por essa memória? O que nós podemos fazer para que não exista uma nova Bento Rodrigues soterrada? De que forma isso nos afeta? Como lidamos com essa situação? Lidamos? Indagações presentes no processo criativo desses atores rapsodos. “Estamos a pouco menos de 200 km de Bento Rodrigues, e para nós já é fácil nos deixar esquecer e seguir em frente. Não encontramos solução para esses questionamentos, mas entendemos que ampliar a memória coletiva sobre essa história é  parte da resistência”, ressalta a atriz Bruna Sobreira.

No processo de pesquisa, passando por contos de Marcelino Freire, escritor contemporâneo brasileiro, o grupo se deparou com uma história, na qual um homem solitário, que tinha sido afastado do lugar onde vivia, voltava a ele e não o reconhecia, encontrando-o destruído. “A partir daí começamos a trabalhar sobre a memória – o lembrar e o esquecer – e sobre o impacto de perder seu lugar, sua querência (para citar Galeano com seu lindo mini-conto). Rapidamente aproximamos de Mariana e sua terrível tragédia, que a todos nós havia tocado de alguma forma. Concluímos que precisávamos falar sobre isso”, relata a atriz Ângela Mourão.

Construído em diálogo criativo com importantes artistas de diversas áreas, o espetáculo experimenta uma nova linguagem para o grupo, que une movimento, composição, sonoridade, vídeo e texto, com uma abordagem dramatúrgica documental e contemporânea. O Grupo teatro Andante ousa em reunir pessoas distintas em torno de um projeto de espetáculo. “A ideia inicial era de trabalhar com pessoas de linguagens diferentes para que uma narrativa fosse contada por vários ângulos, tensões e códigos; Teatro, Música, Cinema e Dança. Veio a Lama e fomos impactados, depois ao pisar nela, sensibilizados a nos colocar a serviço daquelas pessoas, daquele acontecimento"”, ressalta o ator Thiago Amador.

Alguns desses artistas já faziam parte da história do Andante, como Tarcísio Ramos Homem, que contribui na construção da dramaturgia do movimento cênico, equalizando a linguagem corporal dos atores durante a peça, e Guiomar de Grammont (dramaturgia e texto), que trouxe a questão da memória para o espetáculo, além de aproximar ainda mais os atores do local da tragédia. “Eles compuseram seus trabalhos com outros que tínhamos o desejo de trabalhar: Ricardo Alves Junior, que direciona no espetáculo o ´olhar da câmera; Sérgio Pererê, que nos contaminou com a sonoridade ancestral e Cláudio Dias, que foi responsável pelo arcabouço do espetáculo, levantando com o grupo os primeiros materiais que estão ramificados por toda a obra”, explica Ângela. “Optamos por mesclar linguagens, algo desafiador e novo para o grupo, mas mantivemos a trajetória de espetáculos engajados, críticos, além de poéticos e apurados artisticamente”, destaca Marcelo Bones.

O Grupo

O Grupo Teatro Andante é atuante em Belo Horizonte desde 1990, quando foi fundado por Marcelo Bones e Ângela Mourão. Em seus 27 anos tem trabalhado ininterruptamente com a circulação de seus espetáculos em Belo Horizonte, Minas e todo o Brasil, além de uma significativa trajetória no exterior - Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá, Portugal, Espanha, Itália e Alemanha. Seus espetáculos, tais como Olympia, BarbAzul, A História de Édipo, o Grande Cello e Musiclown, seguem as características que o Grupo desenvolveu durante toda a sua história, que são a pesquisa de linguagens, a apurada técnica cênica com a fácil comunicação popular, a descentralização artística e a difusão do teatro para parcelas da população que não têm acesso às casas de espetáculos e que estão fora dos eixos comerciais. O Andante tem a marca de realizar espetáculos com grande qualidade artística e técnica, mas que possam ser apresentados em espaços variados e para qualquer tipo de público. 

O Grupo já circulou em 22 estados brasileiros com espetáculos e oficinas, se apresentando em temporadas, projetos diversos e festivais nacionais e internacionais. Participa de intercâmbios artísticos e de movimentos teatrais locais, nacionais e internacionais, sendo fundador da Platô - plataforma coletiva para internacionalização. Em 2013 realizou residência artística em Portugal onde construiu o espetáculo Travessia-um Espetáculo de Percurso e apresentou Olympia várias vezes, inclusive no Ano do Brasil em Portugal, na cidade do Porto e em Vigo, na Espanha. Fez também a curadoria do Encontro Internacional de Palhaços de Fafe.

Ainda em 2013 membros do Andante participaram do espetáculo Antepenúltima Estação, com atores formandos do CEFAR-Fundação Clóvis Salgado. Ângela fez a direção e coordenação dramatúrgica, Marcelo fez a direção técnica e assistência de direção e Gladys Rodrigues atuou. De 2014 a 2017 o grupo fez diversos festivais e circuitos por países latino-americanos, além de desenvolver grande atividade de formação pelo Sebrae, para grupos teatrais. Implantou, ainda, em 2016, o Observatório de Festivais.Além disso, seus membros participaram de projetos diversos, tais como Ângela Mourão que dirigiu o espetáculo Receitas para não morrer de amor, estreado em 2017, e Marcelo Bones e Bruna Sobreira que produziram, em Belo Horizonte, o Festival do Teatro Brasileiro.

Lei da meia-entrada: A Lei Federal nº 12.933/2013 dispõe sobre o benefício do pagamento de meia-entrada para estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos comprovadamente carentes em espetáculos artísticos culturais e esportivos. Clique e acesse o texto na íntegra 

Data de início

08 de Junho de 2018

Data de término

10 de Junho de 2018

Endereço

Teatro João Ceschiatti (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro. BH)

Preço

R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)

Mais informações

EVENTO

LAMA | Grupo Teatro Andante

HORÁRIO
20h

DURAÇÃO
1h10

CLASSIFICAÇÃO

12 anos

INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO
(31) 3236-7400