21° FestCurtasBH 2019

publicado por Henrique Correa em 27 de agosto 2019

Um encontro dedicado às invenções poéticas e políticas do cinema experimental marca o 21º Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte – FestCurtasBH, realizado pela Fundação Clóvis Salgado, com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e correalizado pela APPA Arte e Cultura. Entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro serão exibidos 123 filmes de curtas-metragens, distribuídos em 62 sessões. Além das já conhecidas mostras competitivas, paralelas e especiais, o evento contará com debates, palestra-performance, oficina e exposição. As atividades do festival acontecerão no Cine Humberto Mauro, no Teatro João Ceschiatti e nos Jardins Internos do Palácio das Artes.

Acesse a PROGRAMAÇÃO do Cine Humberto Mauro.

Acesse a PROGRAMAÇÃO do Teatro João Ceschiatti.

Acesse o RELEASE completo da mostra.

Ao longo de dez dias, o público poderá acompanhar gratuitamente uma programação diversificada da produção contemporânea do cinema curta-metragista nacional e internacional. Neste ano, o 21º FestCurtasBH recebeu inscrições de mais de 2.600 filmes, sendo 2.181 obras internacionais e 434 obras nacionais. Desse total, integram a programação filmes da África do Sul, Alemanha, Argentina, Bélgica, Camboja, Canadá, Chile, China, Coréia do Sul, Croácia, Cuba, Equador, Eslováquia, Espanha, Estados Unidos, Filipinas, Finlândia, França, Guiné-Bissau, Holanda, Índia, Itália, Malásia, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Ruanda, Sérvia, Singapura e Suíça. Do Brasil, os selecionados são da Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Cinema de autoria negra – O 21º FestCurtasBH  promove um desdobramento da última edição dedicada à relação entre cinema e raça. Neste ano, o festival contempla na íntegra a obra do cineasta de vanguarda estadunidense Christopher Harris, dando prosseguimento às discussões raciais e sua importância estética e política para o audiovisual.

Segundo a curadora do festival Ana Siqueira, uma importante reflexão tem surgido neste contexto: além da representatividade, o que ocorre no nível da representação quando sujeitos não-hegemônicos assumem o lugar da autoria? Ou seja, não basta questionar o que o cinema pode fazer pelas ditas minorias, é preciso igualmente entender quais formas de olhar, narrar e realizar elas trazem para o audiovisual.

O 21º FestCurtasBH apresenta um foco maior na representação, que se completa e se afeta também pela representatividade. Para Ana, essa discussão é extremamente atual, urgente e tem ocorrido nas várias áreas artísticas do Brasil e do mundo. “A obra de Christopher Harris nos capturou em particular por se tratar de um artista com um trabalho de linguagem de grande elaboração e inventividade, sem nunca ignorar o caráter político das imagens. O que o cineasta faz é partir de uma experiência do cinema de vanguarda e experimental para inventar outras formas de representar, trazendo questões e gestos muito próprios de sua experiência de artista negro estadunidense”, revela Ana Siqueira.

Christopher Harris inédito em BH – Um dos grandes destaques deste ano é a mostra Especial Retrospectiva Christopher Harris: Poética e Política da Forma. O trabalho De Harris parte, principalmente, da historiografia e atualidade negras estadunidenses. Na ocasião, serão exibidos oito filmes do cineasta, inéditos em Belo Horizonte.

Apesar das singularidades da produção, o cinema de vanguarda estadunidense, do qual Harris é hoje uma das mais proeminentes figuras, conversa estreitamente com questões e inquietações estéticas e políticas do cinema brasileiro.

O cineasta também fará uma palestra-performance (dia 05/09), em que irá demonstrar e discutir seu método de trabalho e processo criativo, compartilhando a preparação de seu novo filme Falando Línguas. A atividade será realizada no Cine Humberto Mauro, com tradução simultânea e seguida de debate com o artista.

O cineasta também foi convidado para ser o curador da mostra Christopher Harris – Influências e Ressonâncias, composta por filmes experimentais dos Estados Unidos que inspiram ou dialogam com seu percurso cinematográfico, e é composta de clássicos do cinema de vanguarda a representantes da cena contemporânea de cineastas negras e negros. Serão exibidos 14 filmes do período de 1967 a 2015.

Mostras competitivas – As já tradicionais mostras Competitivas Minas, Brasil e Internacional, que trazem produções recentes nacionais e estrangeiras, premiarão os melhores curtas. Os resultados serão anunciados no sábado, dia 07/09, e a exibição dos vencedores acontecerá no domingo, dia 08/09, no Cine Humberto Mauro.

A mostra Competitiva Internacional conta com 18 participantes selecionados de países como Singapura, Itália, Argentina, Senegal e França, entre outros. Já a mostra Competitiva Brasil reúne 18 trabalhos de oito estados, entre eles Bahia, São Paulo, Pernambuco e Ceará, além de quatro produções mineiras. A produção audiovisual de Minas Gerais tem também uma categoria própria. Na mostra Competitiva Minas, há seis obras concorrendo aos prêmios. Ao todo, 42 filmes disputam nas três Competitivas do festival. Todas as sessões de filmes das mostras competitivas Brasil e Minas serão seguidas de debates com os realizadores e o público.