Nota de pesar - Lúcia Camargo

publicado por Daniel Helvecio em 20 de julho 2020

Lúcia Camargo. Foto: Paulo Lacerda.

Com muito pesar, a Fundação Clóvis Salgado comunica o falecimento de Lúcia Camargo, jornalista, mestre em História do Brasil e gestora cultural, que presidiu a instituição entre 2007 e 2009.

Natural de Curitiba, Lúcia Camargo chegou a Belo Horizonte, em 2006, para presidir a Orquestra Filarmônica de MG, após deixar a diretoria do Teatro Municipal de São Paulo. No ano seguinte, assumiu a presidência da Fundação Clóvis Salgado, a convite da então secretária de Estado de Cultura, Eleonora Santa Rosa.

Na FCS, a gestão de Lúcia Camargo foi marcada, entre outros projetos, pela valorização dos concertos, da dança e de grandes exposições, além da Circulação dos Corpos Artísticos (Orquestra Sinfônica, Coral Lírico, Cia de Dança e Orquestra Jovem) por mais de 700 cidades de Minas Gerais.

Outro ponto alto da gestão de Lúcia Camargo foram as produções operísticas: A Menina das Nuvens, Aida, A redenção pelo sonho, Falstaff, Erwathung, Macbeth, Pelleas et Melisande, entre outras.

O trabalho da gestora também reforçou a internacionalização da Fundação Clóvis Salgado, com atrações internacionais como o Ballet Netherlands 2, o Balé da Coréia e o Balé de Tóquio.

Lúcia Camargo também foi secretária de cultura da cidade de Curitiba e do Estado do Paraná, diretora administrativa da Universidade Livre de Música (ULM), coordenadora da Divisão das Casas de Espetáculos da Secretaria Estadual da Cultura de São Paulo, presidente da Rádio e TV Educativa do Paraná (TVE – Paraná), além de curadora de Festival de Teatro de Curitiba.

A Fundação Clóvis Salgado se solidariza aos familiares e amigos de Lúcia Camargo nesse momento de dor.