Gal Costa - As várias pontas de uma estrela

03/06/22

Grande Teatro Cemig Palácio das Artes | Av. Afonso Pena, 1537. Centro. Belo Horizonte

 

O show terá apresentação única no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes, no dia 03 de junho (sexta-feira). Ingressos à venda nas bilheterias do teatro ou pelo site www.eventim.com.br.

 

“Magnífico!” “Inesquecível!” “Histórico!” Estes foram alguns dos muitos adjetivos que se destacaram nos espontâneos posts que ocuparam as redes sociais ao término do show “As Várias Pontas de Uma Estrela”, apresentado por Gal Costa no Palácio das Artes em dezembro. Para quem viu ou quer rever o merecidamente reverenciado show, Gal Costa aporta novamente em Belo Horizonte, para apresentação única no dia 3 de junho.

 

Há um tempo que meus lançamentos e shows têm atraído um público mais jovem que se mistura com os fãs já de tempos. Percebi isso também nas redes sociais. Talvez o segredo seja o fato de eu ser uma cantora que não tem medo de seguir novos caminhos, gravar novas coisas, ousar e dar saltos na minha carreira (…). Tenho muitos projetos, quero fazer coisas ainda e não me sinto velha. Tenho a alma jovem, tenho energia para muita coisa ainda”. (Gal Costa – Folha de Pernambuco, em 18/03/22).

 

 

OS OLHARES DE QUEM VIU O SHOW

 

“Nunca havia assistido a Gal ao vivo e confesso que foi impossível conter as lágrimas diante a presença de quem já “cantou” muito minha história. A faca continua amolada e dá início aos delírios de uma eterna dançarina de melodias. A artista mostra que idade é algo mais ligado ao calendário do que à alma. Canta como uma menina com a voz límpida, sem medo de abusar dos agudos ou dos improvisos vocais que a transformam em um instrumento sofisticadíssimo. Em pouco mais de uma hora e meia de show, Gal mostrou aos seus admiradores que continua sendo uma constelação da MPB e ainda tem muito a desvendar diante um existente Brasil que precisa ser redescoberto urgentemente”. (Luã Diógenes – Diário do Nordeste, em 12/12/21).

 

 

“Caracterizado em cena por Gal como “um show sobre a memória afetiva do Brasil”, As várias pontas da uma estrela tangencia musicalmente a ambiência de concerto, com arranjos mais sutis e eventualmente minimalistas (…). A alta concentração de canções populares e românticas no terço final do show potencializou a energia (boa) da plateia que lotou a casa Vivo Rio. O coro do público deu o tom caloroso da apresentação em músicas como a citada Nada mais, número que representou pico de intensidade do canto da estrela.” (Mauro Ferreira– G1 – 12/11/21)

 

 

REPERTÓRIO ATEMPORAL E PLURAL

 

 

Contradizendo a expectativa de muitos, a música que dá nome ao show, parceria luminosa de Caetano e Milton, não se faz presente no repertório. O fio condutor é o universo musical de Milton Nascimento, que se faz presente com alguns dos seus clássicos (“Maria, Maria”, “Fé cega, faca amolada”, ”Cravo e canela” e “Paula e Bebeto”), e temas menos conhecidos já eternizados na voz de Gal Costa (“Quem perguntou por mim”  e “Solar”).

 

 

No roteiro há sucessos populares: “Um dia de domingo” (Sullivan – Massadas), “Açaí” (Djavan), “Nada mais” (Stevie Wonder – versão de Ronaldo Bastos), Sorte” (Celso Fonseca – Ronaldo Bastos); canções icônicas: “Mãe” (Caetano), “Baby” (Caetano Veloso), Hotel das Estrelas” (Macalé – Duda), Estrela, estrela (Vitor Ramil) e temas há muito não levados ao palco: “Estrada do sol” (Tom Jobim – Dolores Duran), “Nua ideia” (João Donato – Caetano Veloso), “Lua de mel” (Lulu Santos), Último blues” (Chico Buarque) e A história de Lily Braun” (Edu Lobo – Chico Buarque).   A direção do espetáculo é assinada por Marcus Preto.

 

 

 

Informações

Local

Grande Teatro Cemig Palácio das Artes | Av. Afonso Pena, 1537. Centro. Belo Horizonte

Horário

21h

Informações para o público

(31) 3236-7400