Turminha da Mônica na História da Arte

Em 12 de outubro, celebramos Nossa Senhora Aparecida – a padroeira do Brasil – e o dia das crianças. Uma das personalidades mais importantes para gerações de crianças em todo o país é o cartunista Mauricio de Sousa. Ele, que nasceu em 27 de outubro de 1935, criou a turminha de personagens mais amada do Brasil!

Quem não viveu altas aventuras com as crianças do “Bairro do Limoeiro” lendo os quadrinhos da Turma da Mônica? As historinhas de Mauricio de Sousa, responsável pela criação de mais de 200 personagens ao longo de sua carreira, fazem parte do imaginário dos brasileiros, seja por meio das revistinhas seja pelas adaptações de animações para a televisão, ou em apresentações em festas, parques temáticos e brinquedos.

A turminha está presente em todo lugar, nos quatro cantos do Brasil e também no exterior. As publicações de Mauricio de Sousa estão em mais de 120 países e em 50 idiomas. Em 2019, os personagens ganharam vida ao serem representados por atores no filme “Turma da Mônica: Laços”.

Um dos trabalhos muito especiais do cartunista foi o de criar paródias com seus personagens em releituras de grandes obras da história da arte. Esse trabalho teve início no final dos anos 1980 quando Mauricio, ao observar a pintura “Rosa e Azul” de Auguste Renoir – uma de suas obras preferidas – teve a ideia de incentivar a criatividade e divulgar a arte de uma maneira divertida.

Sua série de acrílicas e esculturas de isopor revestidas de resina teve exposições pelo país e dois catálogos intitulados “História em Quadrões 1” e “História em Quadrões 2”, dos anos de 2001 e 2010, respectivamente.

“Mônica Lisa”, Mauricio de Sousa, 1989. Fonte: Catálogo “História em Quadrões 1”.
“O pensador de planos infalíveis”, Mauricio de Sousa, 2001. Fonte: Catálogo “História em Quadrões 1”.

Tanto nas montagens das exposições quanto nos catálogos, as reproduções das pinturas e as paródias de Mauricio foram colocadas lado a lado. Assim a criançada aprendia um pouco sobre as pinturas e se divertia vendo seus personagens favoritos fazendo os papéis das figuras representadas nas obras. Dessa maneira, Mauricio fez um passeio pela história da arte de forma divertida e pedagógica, que não serviu apenas para as crianças, pois, imagine, quantos adultos puderam aprender um pouco de arte e cultura com a turminha do desenhista.

Podemos, nessa série de trabalhos de Mauricio, ver o Cebolinha como “O pensador” de Auguste Rodin, a Mônica como a “Monalisa” de Leonardo da Vinci, a Magali como “O grande Baco” de Caravaggio, ou a Dona Morte da Turma do Penadinho em “O grito” de Edvard Munch, por exemplo.

Mais do que caricaturesco, as pinturas e esculturas são uma ponte de comunicação com a cultura. As imagens que Mauricio de Sousa nos apresenta são parecidas com o que hoje vemos, com tanta frequência, nas redes sociais. São memes e apropriações de imagens da história da arte que se desdobram em inúmeras leituras de obras artísticas e suas ressignificações.

Uma coisa é certa: essas brincadeiras com imagens são divertidas e democratizam a arte alcançando muitas pessoas, das crianças aos idosos. Afinal, arte não tem idade e todos voltam a ser crianças com as criações do querido Mauricio de Sousa.

Referências:

SOUSA, Mauricio de. História em Quadrões 1. 2ª ed. Editora Globo. Editora Mauricio de Sousa, 2010.

SOUSA, Mauricio de. História em Quadrões 2. 1ª ed. Editora Globo. Editora Mauricio de Sousa, 2010.

Sobre a autora:

Isa Carolina é especialista em História da Arte, mediadora cultural e professora na Escola de Artes Visuais do Cefart – FCS.