PROGRAMAÇÃO (sujeita a alterações)

PERCURSO MODERNISTA

Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard | Foto: Paulo Lacerda

Ocupação na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard com Mostra Fotográfica, Ciclo de Debates, Aulas abertas e intervenções artísticas como saraus líricos, intervenções de dança, exibição de vídeos do Festival Villa-Lobos e ações do Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart.

– Mostra Percurso Modernista

A mostra “Percurso Modernista” proporciona ao visitante uma trajetória por diversos conteúdos sobre o movimento, ilustrando a participação de Minas Gerais e os seus reflexos ao longo de várias décadas do século XX. A proposta de ocupação do espaço da Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard foi concebida como um caminho a ser percorrido, apropriado e vivenciado pelo público. A mostra é composta por reproduções fotográficas, linha do tempo, informações e curiosidades sobre o modernismo mineiro e brasileiro. O projeto expográfico e a setorização possibilitam fluidez e flexibilidade dos usos dos espaços, expandindo a função da galeria de espaço expositivo, para espaço vivenciado/percorrido/apropriado. O projeto pretende promover a apropriação da galeria e possibilitar interações entre as diversas manifestações e linguagens artísticas. Assim, o “Percurso do Modernismo”, como percurso histórico e cultural riquíssimo, não se esgota, deve ser vivenciado, revisitado, apreciado e preservado. A Mostra fotográfica tem curadoria de Epaminondas Bittencourt

Local: Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard

Data: 14 de março a 10 de abril de 2022

Debates: O Percurso Modernista em Minas Gerais: Cenas e Contextos – Contexto e Cenas da Modernidade brasileira: cidade e sociedade
Foto: Paulo Lacerda

– PROGRAMAÇÃO GRATUITA COMPOSTA POR INTERVENÇÕES EM DANÇA, TEATRO, MÚSICA E TECNOLOGIAS DA CENA QUE ACONTECEM NA EXPOSIÇÃO PERCURSO MODERNISTA, NA GRANDE GALERIA ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD

SARAUS MODERNISTAS

22: A SEMANA DE ONTEM, OS AFETOS DE HOJE

Música, literatura, cinema, performance. Encontros de fricção entre artistas multidimensionais propondo a celebração e a revisão crítica da Semana de Arte Moderna de 22 a partir da curadoria do poeta Renato Negrão.

Local: Teatro João Ceschiatti – Palácio das Artes

Data: 27 e 28 de maio, a partir das 20h

Villa-Lobos nas Gerais (título provisório)

Instrumentistas mineiros apresentarão repertório de compositores brasileiros influenciados pela música de Villa-Lobos, tais como Tom Jobim, Radamés Gnatalli, Francisco Magnoni, Wagner Tiso, entre outros, além de repertório dos grandes mestres que influenciaram o próprio Villa-Lobos, como Debussy, Bach e até mesmo Pixinguinha e Cartola.

Curadoria: Carminha Guerra

Direção musical: Mauro Rodrigues

Local: Sala Juvenal Dias – Palácio das Artes

Data: 1º e 2 de julho, às 20h

ANTROPOPHAGIA – BEATRIZ AZEVEDO

Show da poeta, cantora, compositora, performer e diretora – multiartista brasileira – Beatriz Azevedo, apresentado no Lincoln Center, em Nova York. No repertório músicas, poemas e projeções em um show com o tema da antropofagia. Segundo a artista, a ideia foi pensar no século 21, não retomar a antropofagia de Oswald de Andrade, do século 20, e fazer um espetáculo contemporâneo, atual. Então ficou esse AntroPOPhagia – um pop no meio da antropofagia. Três poemas de Oswald de Andrade e um de Raul Bopp foram musicados por ela. Insensatez, de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, foi arranjado por Beatriz como um tango, e uma música de Cole Porter, em forma de jongo.

O show foi gravado ao vivo, gerando o cd AntroPOPhagia, com direção musical de Cristóvão Bastos.

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 29 de setembro, às 20h30

MOSTRA DE CINEMA | VEREDAS MODERNISTAS: CINEMA E ANTROPOFAGIA

Curadoria: Bruno Hilário

A mostra busca construir uma perspectiva panorâmica sobre a influência da Semana de Arte Moderna de 1922 na cultura cinematográfica brasileira, traçando um percurso que questiona aproximações e distanciamentos dos pioneiros Humberto Mauro e Mário Peixoto, passando por experiências cruciais do Cinema Novo e ampliando a perspectiva de futuro a partir de uma produção nacional recente.

Local: NaPlataforma streaming CineHumbertoMauroMais e no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes

Data: 25 a 31 de agosto

ESPETÁCULO TEATRAL

Mario de Andrade o Papa do Modernismo, com Pascoal da Conceição

Nesta apresentação, o ator e diretor, Pascoal da Conceição, atua como uma espécie de MC, um mestre de cerimônia que apresenta várias Facetas de Mário de Andrade a partir de trechos gravados do espetáculo Mário de Andrade Desce aos Infernos, gravado em 2021, no Teatro Oficina. Participam da montagem músicos, atores e uma atriz convidada.

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 1º e 2 de novembro, às 20h30

ESPETÁCULO DE DANÇA

UMA DANÇA ANTROPÓFAGA

ACia de Dança Palácio das Artes vai mergulhar no Modernismo Brasileiro, em especial na “Semana de Arte Moderna de 22”, para criar um espetáculo comemorando seus 50 anos de existência e encerrar esse vasto calendário dedicado ao tema do Modernismo em Minas Gerais, focalizado pela Fundação Clóvis Salgado em 2022. O espetáculo Uma Dança Antropófaga terá a direção de duas artistas – as bailarinas Marise Dinis e Kênia Dias, em parceria pela primeira vez. 

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 5 e 6 de novembro, 20h30

DOCUMENTÁRIO | O MODERNISMO EM MINAS GERAIS

Direção: Armando Mendes

Roteirização e produção de um longa-metragem no formato de documentário relatando as relações e a importância do núcleo modernista mineiro para a cultura nacional. Com 70 minutos de duração, o documentário vai apresentar a movimentação dos artistas mineiros antes, durante e depois da Semana de Arte Moderna de 1922, elencando os nomes, eventos, instituições e publicações que deram voz ao movimento modernista no estado.

Lançamento: Dentro da mostra “Veredas Modernistas”

Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes

Data:25 a 31 de agosto

LIVRO | O MODERNISMO EM MINAS GERAIS

Autor: Epaminondas Bittencourt

Criação e produção de um livro textual fotográfico sobre a expressão modernista em Minas Gerais. É uma recuperação histórica das vanguardas do modernismo, compreendendo o início do século XX até o fim da década de 50. Em seu conteúdo, o livro tratará dos principais eventos relacionados à literatura, à arquitetura e às artes plásticas.

Lançamento: Jardim interno do Palácio das Artes

Data: 30 de junho

MINIENCICLOPÉDIA VIRTUAL | O MODERNISMO EM MINAS GERAIS

Autor: Leonardo Guerra

Criação e implantação de uma minienciclopédia virtual com verbetes descritivos e ilustrados dos principais personagens, eventos, entidades e publicações do movimento modernista em Minas Gerais. Serão 50 verbetes, organizados em um hot-site, a ser disponibilizado na internet de forma gratuita para consulta de todos aqueles interessados no tema.

Lançamento: Jardim interno do Palácio das Artes

Data: 30 de junho

Programação da FCS, em parceria com outras Instituições, que celebram o Modernismo:

A AFIRMAÇÃO MODERNISTA (Exposição)

Reúne pinturas, esculturas e desenhos dos grandes artistas do Movimento Modernista Brasileiro, com curadoria de Marcus de Lontra Costa e Viviane Matesco. A mostra é uma parceria com a Fundação de Artes do RJ (Funarj), vinculada à Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro (Secec). Serão realizados ainda debates e lançamento de catálogo da exposição.

Local: Galerias Genesco Murta e Arlinda Correa Lima

Data: 11 de outubro a 4 de dezembro

Atividades da FCS, JÁ REALIZADAS, em comemoração aos 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922:

CONCERTO COM A ORQUESTRA SINFÔNICA E O CORAL LÍRICO DE MINAS GERAIS

HOMENAGEM A VILLA-LOBOS

Regência de André Brant

Homenagem a Heitor Villa-Lobos, um dos nomes mais icônicos da história da música e da cultura brasileira. O repertório contou com 3 obras do compositor: Verde Velhice, Suite Nº 2,e Magnificat-Alleluia, com solo da mezzo soprano Aline Lobão. O concerto aconteceu sem a presença de público, mas houve transmissão simultânea ao vivo pelo Canal da FCS no YouTube.

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 22 e 23 de fevereiro.

É O QUE TREM PRA HOJE

Programa de Auditório com apresentação de show de variedades, calouros, números, cenas, músicos, performances, entrevistas e uma Rádionovela em dois capítulos, adaptado da obra Ópio de Cor, de Patrícia Galvão, a PAGU – ícone brasileira do Modernismo. Todos os processos criativos foram influenciados com estéticas e diálogos advindos das experiências da Semana de Arte Moderna de 22. O espetáculo é resultado de trabalho integrado dos cursos da Escola de Tecnologia da Cena do CEFART.

Local: Teatro João Ceschiatti – Palácio das Artes

Data: 25 a 26 de fevereiro