Wilson Baptista | Urbano Fotográfico

27/02

CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais | Av. Afonso Pena, 737. Centro. Belo Horizonte

De 27 de fevereiro a 15 de junho, a Fundação Clóvis Salgado traz à CâmeraSeteCasa da Fotografia de Minas Gerais a exposição Wilson Baptista  Urbano Fotográfico. Trata-se de um recorte com 44 fotografias em preto e branco do acervo, estimado em cerca de trinta mil negativos, do belo-horizontino Wilson Baptista.

Por meio do olhar do fotógrafo, é possível perceber as transformações urbanas, arquitetônicas e sociais que ocorreram no centro da capital mineira entre as décadas de 1930 e 1960, visitando micro histórias nas práticas e acontecimentos públicos.

 

Foto: Wilson Baptista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: Wilson Baptista

 

Com curadoria de Paulo Baptista, fotógrafo, professor e filho de Wilson, a exposição traça não só uma linha do tempo da singularidade cotidiana de Belo Horizonte, mas possibilita, também, encontrar formas e composições autônomas derivadas de objetos familiares que se transformam em belíssimas torres e geometrias dos altos edifícios.

Segundo Marconi Drummond, artista plástico e um dos autores, juntamente com os professores da UFMG Renata Marquez e Paulo Baptista, do livro Wilson Baptista – Urbano Fotográfico, o olhar de Baptista revela momentos que definem o que a cidade é hoje. “Há uma espécie de arqueologia urbana, uma prospecção de momentos de Belo Horizonte que com o passar do tempo desapareceu. Trata-se do passado urbano, das edificações, formas de sociabilizar e de como a própria população ocupava a cidade”, explica.

O trabalho de Wilson Baptista captura momentos-chave da história de Belo Horizonte, como a abertura da Avenida Amazonas, flagrantes do Parque Municipal, procissões, a construção do Edifício Acaiaca e até um acidente de bonde no viaduto Santa Tereza. Essa narrativa histórica e fotográfica é uma viagem ao tempo em que a capital se modernizava, passando pelo processo de verticalização e aumento populacional.

“As fotografias guardam um tom saudosista de uma cidade mais afetuosa, menos violenta e mais acessível. Em certa medida podemos dizer que esse olhar do Wilson Baptista é testemunha da BH que já teve essas características, mas que hoje se transformou numa cidade caótica. Trata-se de um lote de trabalhos que apresenta um olhar muito afetuoso e singular da cidade”, observa Marconi.

A série que documenta a abertura da Avenida Amazonas veio a público setenta anos depois como parte da exposição Escavar o Futuro, em 2013, no Palácio das Artes. O fotógrafo também participou da exposição Segue-se ver o que quisesse – um registro da vida cotidiana de Minas Gerais, em 2012, e das mais recentes Habitáculo, no Cine Theatro Brasil Vallourec,  Horizonte Moderno, no Minas Tênis Clube, ambas em 2015, e Cartografia Imaginária, no SESC Palladium, em 2018, além de ter ocupado outras galerias belo-horizontinas nos anos 2000.

Desta vez, na CâmeraSete, as imagens vão habitar o mesmo espaço fotografado por Wilson há oitenta anos: a Praça Sete e seus entornos. “É muito interessante notar que existe um retorno dessas cenas fotográficas ao espaço que tanto interessou o fotógrafo, e na exposição há fotos que apresentam esse traçado urbano do hipercentro, como uma imagem aérea em grande formato que representa o movimento da Praça Sete ainda circundada por bondes e ajardinada por árvores que foram cortadas. Acredito que as fotografias do Wilson apontam para a importantíssima pergunta: ‘que cidade queremos?’”, questiona o artista.

 

Entre o artístico e o documental – Apesar de ter começado a fotografar aos 12 anos, Wilson Baptista considerava-se amador, e continuou fotografando até o final da sua vida, aos cem anos de idade. Entusiasta, foi um grande incentivador da fotografia como arte, fazendo com que a produção belo-horizontina se conectasse com outros centros brasileiros de fotografia por meio do Foto Clube de Minas Gerais, do qual foi um dos fundadores e o seu primeiro presidente.

Era praticamente cego de um olho e muito interessado pela arquitetura de Niemeyer, art deco, literatura, desenho, tiro e esgrima, e não se separava nunca de sua câmera: “como se anda com o celular hoje ou se andava com uma arma, eu andava com a máquina”, contou o fotógrafo durante os encontros com os autores do livro Urbano Fotográfico. Assim, estava sempre na hora certa e no lugar certo, sempre muito atento ao aspecto plástico do acontecimento.

Mais interessado no que a fotografia podia sugerir do que na tarefa de documentar a realidade, Wilson tinha um olhar factual, mas que se transformava numa espécie de síntese fotográfica que direcionava a imagem para uma composição geométrica e abstrata do cotidiano.

 

Wilson Baptista – Wilson Baptista (1913-2014), natural de Belo Horizonte, produziu uma das mais ricas obras da fotografia moderna brasileira, composta por imagens que vão do registro factual, sempre personalíssimo, de cenas urbanas, à pura composição geométrica, em visões abstratas de objetos do cotidiano.  Foi um dos fundadores e o primeiro presidente do Foto Clube de Minas Gerais, na década de 1950, organizando e participando de exposições e de salões nacionais e internacionais de fotografia até meados dos anos sessenta, tendo sido premiado diversas vezes. A partir dos anos oitenta, fotografias suas ilustraram diversas publicações nas áreas de arquitetura, urbanismo e história da capital mineira. Seu trabalho fez parte de exposições coletivas como Cartografia imaginária (SESC Palladium, 2018), Habitáculo (Cine Theatro Brasil Vallourec, 2015), Horizonte Moderno (Minas Tênis Clube, 2015), Escavar o Futuro (Fundação Clóvis Salgado, 2013) e Segue-se ver o que quisesse (Fundação Clóvis Salgado, 2012), além das retrospectivas Projeto Wilson Baptista (Periscópio Arte Contemporânea, 2017), Diálogos nos tempos da Fotografia (Casa do Baile, 2007) e Wilson Baptista: Fotografias (Instituto de Arquitetos do Brasil/MG, 2000).

 

VISITAS MEDIADAS

Com o propósito de ampliar a experiência estética de públicos diversos e difundir conceitos da arte e cultura contemporânea, a Fundação Clóvis Salgado oferece visitas mediadas às galerias do Palácio das Artes e CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais.

As Visitas Mediadas necessitam de agendamento, são gratuitas e acontecem de terça a sexta, às 9h30, 14h 19h, têm a duração aproximada de 1 hora e 30 minutos e são realizadas pelos professores da Escola de Artes Visuais do CEFART.

ASSESSORIA AO PROFESSOR E EDUCADOR

Oferecemos acompanhamento para professores e educadores como apoio ao planejamento da visita de grupos à exposição. A assessoria é gratuita e depende de agendamento prévio.

COMO AGENDAR? 

Os agendamentos para Visitas Mediadas e Assessoria ao Professor e Educador são realizados exclusivamente pelo e-mail agendamento.galerias@fcs.mg.gov.br.

 

O evento tem correalização da APPA- Arte e Cultura.

Informações

Local

CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais | Av. Afonso Pena, 737. Centro. Belo Horizonte

Horário

Terça a sábado, 9h30 às 21h

Classificação

LIVRE

Informações para o público

31 3236-7400